O rótulo é uma das ferramentas mais importantes das embalagens e que pode ser usado a seu favor. Ele atrai a atenção do cliente, agrega valor ao seu produto e também informa sobre o mesmo.

É importante que, além do design, sejam apresentadas todas as características do produto e aplicadas todas as leis vigentes que são impostas para proteger os consumidores de alguma farsa.

Separamos 10 informações obrigatórias que precisam conter em rótulos de alimentos para te mostrar a importância de cada uma e te ajudar a não deixar faltar nada!

1. Lista de ingredientes e aditivos que compõem o produto

É na lista de ingredientes que as pessoas irão conferir todos os componentes que compõem o produto. Essa lista deve estar em ordem decrescente, começando com os componentes que estão presentes em maior quantidade.

Estão dispensados os itens que possuem ingrediente único, como: Açúcar, farinha de mandioca, café, leite, entre outros.

2. Indicação do estado físico ou tratamento do produto

Para que o consumidor não seja induzido ao erro, também devem ser incluído a indicação do estado físico ou tratamento que o produto foi submetido (concentrado, reconstituído, congelado, etc.)

3. Quantidade líquida

Para ajudar o consumidor a entender o peso da embalagem, é necessário que seja informado em massa (gramas/quilos), ou em volume (m/litros) a quantidade do produto que está presente na embalagem.

4. Lote e data de validade do produto

Deve conter em todas as embalagens a data de validade do produto e o lote que ele se encontra. Prazos inferiores a três meses, é necessário o dia, o mês e o ano. Para os demais, apenas o mês e o ano.

O lote é usado para identificar quais produtos foram fabricados juntos e controlar a distribuição dos itens com base naquele número.

5. Origem do produto

Informações da empresa, como o nome e o endereço de onde o produto foi fabricado são indispensáveis em uma embalagem. Também é importante acrescentar alguma forma de contato para o atendimento ao consumidor.

6. Tabela nutricional

A tabela nutricional é onde os clientes podem saber sobre todos os nutrientes e valores energéticos do alimento.

Nela, deve conter basicamente os seguintes itens:

  • Valor energético em Kcal e KJ;
  • Carboidratos;
  • Proteínas;
  • Gorduras totais;
  • Gorduras saturadas;
  • Gorduras trans;
  • Fibra alimentar
  • Sódio.

7. Instruções modo de fazer

Muitas embalagens precisam conter os passos de como o produto deve ser feito. Como por exemplo: Macarrão instantâneo, gelatina, suco em pó, entre outros.

8. Alergênicos

Segundo a resolução da Anvisa (RDC 26/2015) é obrigatório conter informações sobre presença de dezessete ingredientes no produto, sendo eles: Amendoim, peixes, ovos, crustáceos, trigo (aveia, cevada, centeio, etc), soja, amêndoa, leite de todos os mamíferos, avelã, castanha do Pará, castanha de caju, nozes, macadâmia, pecã, pistaches, castanhas, pinoli e látex natural.

Os produtos que contenham algum desses ingredientes deve trazer a seguinte informação: “Alérgicos: Contém (nomes dos ingredientes que causam alergia alimentares)”, “Alérgicos: Contém derivados de (nomes dos ingredientes que causam alergia alimentares) ou “Alérgicos: Contém (nomes dos ingredientes que causam alergia alimentares) e derivados.

Casos que não forem possíveis garantir a ausência de qualquer alérgeno alimentar não adicionado intencionalmente, os rótulos precisam trazer a seguinte informação “Alérgicos: pode conter (nomes dos ingredientes que causam alergia alimentares).

9. Informação sobre glúten

Por ser conhecido como um ingrediente que desencadeia a doença celíaca e que pode causar reações de hiperatividade em pessoas sensíveis, o glúten é um ingrediente que precisa ficar bem destacado no rótulo de um produto.

Por isso, a Lei Federal 10.674/200 obriga que todos os rótulos possuam a frase “contém glúten” ou “não contém glúten”.

10. Lactose

A partir de 2019 é obrigatório que sejam inclusos nas embalagens informações sobre lactose!

Para isso, a Anvisa declarou duas resoluções: A primeira é a RDC 135/2017, que inclui os alimentos para dietas com restrição de lactose dentro do regulamento de alimentos para fins especiais. Já a segunda, a resolução RDC 136/2017, define a forma que essas informações devem ser acrescentadas no rótulo, independentemente do tipo de alimento.

Existem três níveis de classificação dos produtos. São eles:

  • Zero Lactose – Para produtos com quantidade menor do que 100mg por 100g de produto, ou 0,1% de concentração;
  • Baixo teor de lactose – Para produtos que contenham quantidade entre 100mg até 1g por 100g de produto (0,1% a 1% de concentração);
  • Contém Lactose – Para a presença na quantidade acima de 100mg por 100g do item, ou 0,1%.

1 Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *